Foi com uma abusada chamada que a moderna revista sobre quadrinhos Comic Foundry se despede do público. Teve pouquíssimos números, mas foi inovadora e ousada enquanto durou. Ao contrário de “concorrentes” como a Wizard, o foco sempre foi os autores, mesmo num mercado como o norte-americano. Por isso, nas suas capas figuravam escritores como Mark Millar ou Brian Lee O’Maley, autor de Scott Pilgrim – no caso desta última. Também apostava em perfis de autores, selos e reportagens.

Muito boa a visão da CF sobre o leitor de quadrinhos: moderno, mente aberta, nerd e consumidor de alto padrão. Foi embora, mas com certeza influenciará outros veículos.